Imprimir esta página

A ESPERA PELA RADIOTERAPIA – PANORAMA GERAL

O tempo de espera para inicio do tratamento em radioterapia depende de fatores tais como disponibilidade de serviços e equipamentos ou cobertura regional, disponibilidade de técnicas especiais de tratamento, cobertura por convênios, capacidade de atendimento dos serviços de radioterapia, necessidade de concomitância e sincronização a outras modalidades de tratamento, condição social e viabilização de deslocamento do paciente ao serviço de radioterapia, disponibilidade ou conveniência na aderência do paciente ao tratamento, entre outros.

Por tratar-se de uma modalidade de tratamento de alta complexidade, de alta especialização, multidisciplinaridade e exigir equipamentos de tecnologia de ponta, a oferta de serviços de radioterapia torna-se relativamente menor do que a necessária em diversas regiões do país e até no resto do mundo.

Em países desenvolvidos a taxa de cobertura por serviços de radioterapia é superior a 75%. No Brasil, em 2011 o Relatório de Auditoria Operacional: Política Nacional de Atenção Oncológica do Tribunal de Contas da União, realizou o levantamento da capacidade instalada e da produção da rede de oncologia estimando um deficit de 135 equipamentos de radioterapia, que se reduz para 57, caso se considerem os serviços privados que não atendem pelo SUS. A partir do confronto do número de atendimentos realizados com as necessidades estimadas, constatou-se que a produção de 2010 cobriu apenas 65,9% da demanda por radioterapia. A estimativa da demanda por atendimento foi realizada tomando por base os parâmetros definidos na Portaria SAS/MS 741/2005, que prevê cerca de 600 tratamentos de radioterapia por cada mil casos de câncer, aplicada sobre as estimativas para novos casos de câncer, realizadas pelo Inca para o ano de 2010 (INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER, 2009).
O resultado da análise dos dados das Autorizações de Procedimentos de Alta Complexidade (Apacs) de radioterapia indicou que o tempo médio de espera entre a data do diagnóstico e o início dos tratamentos foi de 113,4 dias. Apenas 15,9% dos tratamentos de radioterapia iniciaram-se nos primeiros 30 dias.
Por comparação, o mesmo relatório apresenta os dados de tempo de inicio de tratamento após o diagnóstico no Canadá, Reino Unido e Brasil.

TEMPO DE ESPERA EM RADIOTERAPIA

Algumas instituições que prestam serviços em radioterapia sediadas no exterior medem e divulgam seus dados de tempo de espera a partir da admissão no departamento de radioterapia. Por exemplo, o PEI Cancer Treatment Centre em Charlottetown no Canadá possui um tempo médio de 11 dias para iniciar a primeira sessão de radioterapia.

TEMPO DE ESPERA EM RADIOTERAPIA NO CTR

No CTR, o tempo de espera entre a tomografia de planejamento e a primeira sessão de tratamento é medido, sendo este parâmetro importante para a instituição que preza pela agilidade e eficiência de atendimento, uma vez que o impacto na probabilidade de cura e controle de doença está diretamente relacionado com o inicio da abordagem terapêutica. Os gráficos a seguir mostram a distribuição dos pacientes versus o tempo de espera para inicio do tratamento no CTR a partir da tomografia de planejamento. Em 2015 62% dos pacientes iniciaram a primeira sessão de radioterapia após 3 dias da tomografia de planejamento e 100% destes pacientes iniciaram em até 10 dias.